Um solo de xisto e um clima único fazem do Porto um vinho magnífico, único e inigualável.

O Alto Douro, no nordeste de Portugal, é considerado a mais antiga região vitivinícola demarcada e regulamentada do mundo e é Património Mundial da UNESCO. Não foi por acaso que a Kopke escolheu o Douro para fazer vinho.

No Douro, as vinhas exigem mais manutenção, mas rendem menos, e os custos de produção são mais elevados do que em outras regiões do país, não só devido ao trabalho na vinha, mas também no processo de vinificação.
A

Classificação
Cadastral

O extraordinário trabalho de gerações de agricultores moldou a paisagem do Douro. Não teria sido possível cultivar videiras de outra forma.
Eles mudaram o solo, esculpiram encostas, construíram muros e socalcos, plantaram e colheram incessantemente. A colheita no Douro é uma das actividades agrícolas mais intensas em Portugal: trabalho muito duro, realizado em socalcos em encostas íngremes, sob temperaturas muitas vezes superiores a 40° C, carregando cestos cheios de uvas, subindo e descendo a colina por dias a fio.

Quinta

São Luiz

Existem lugares muito especiais no mundo. A Kopke encontrou um deles.

A Quinta de São Luiz está localizada na margem esquerda do rio Douro, perto do Pinhão, na freguesia de Tabuaço.
É uma propriedade imponente, considerada uma das mais emblemáticas do Douro.

Quando a família Kopke assumiu a Quinta de S. Luiz em 1922, Portugal passava por um período de grande instabilidade económica, social e política. Depois, houve anos de prosperidade e anos de recessão, e ainda assim a propriedade continuou a crescer, escarificando o solo, novas plantações ou replantações, construindo muros, repavimentando caminhos, reparando casas, a capela e a adega, cuidando das videiras estabelecendo sistemas de poda, cuidando dos olivais, dos pomares e das hortas. A Quinta de S. Luiz compreende várias outras propriedades - Quinta da Mesquita (1972), Quinta da Lobata (1974), Quinta da Alegria (1982), Quinta da Galeira (1987) - cada uma com vinhas com diferentes exposições solares que resultam em diferentes vinhos e com parcelas situadas a diferentes altitudes: a mais alta é da Quinta da Mesquita, enquanto as mais baixas são na Lobata e Galeira. A Quinta da Alegria é uma ilustração original de tempos passados: aqui, as videiras são plantadas verticalmente, seguindo a encosta da colina, cujo ângulo chega a 70% em alguns locais. A propriedade é composta por 125 hectares (308 terrenos), dos quais 90 são plantados com videiras.

uvas únicas
em um lugar especial

As principais castas cultivadas são Touriga Nacional,
Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Cão. Há também pequenas parcelas de Tinta Barroca and Souzão. As vinhas são classificadas como A, as melhores da Região Demarcada do Douro. A vinha original da Quinta de S. Luiz é constituída por duas parcelas de vinhas velhas denominadas D. Pedro e Fonte Santa, que permanecem as mesmas desde o seu início; é uma área onde as oliveiras são plantadas como cercas e as antigas paredes revelam um património preservado através do tempo. A partir desta antiga vinha são feitos os mais emblemáticos vinhos Kopke, a expressão mais nobre deste terroir.

  • Casta Tinta Roriz
  • Casta Tinta Barroca
  • Casta Souzão
  • Casta Touriga Nacional
  • Casta Touriga Franca

Práticas
Sustentáveis

Na Kopke estamos empenhados em proteger o ambiente e o equilíbrio ecológico das nossas vinhas e da Região Demarcada do Douro.

Com isso em mente, desenvolvemos um modelo vitícola sustentável que nos permite produzir vinhos do Porto e de mesa das nossas videiras de uma maneira que seja ecologicamente responsável e economicamente viável. Isso ajudará a garantir a produção de vinhos de qualidade superior nas próximas décadas.
Este modelo incorpora uma série de técnicas e estratégias e parcerias com instituições como a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e a ADVID (Associação para o Desenvolvimento da Viticultura do Douro).

Modelo para a reconstrução dos socalcos

Os socalcos são projetados com alta precisão, e hoje eles são feitos com máquinas de nivelamento do solo, em que o operador é guiado por um inovador sistema de guia a laser que permite o controlo da inclinação horizontal longitudinal dos socalcos com uma inclinação precisa de 3% . Isso faz um equilíbrio perfeito entre a penetração da água da chuva no solo e a sua drenagem excessiva ao longo do socalco, evitando a erosão do solo - o principal desafio no cultivo de videiras neste terroir.

Modelo para viticultura sustentável

Os corredores ecológicos são mantidos a fim de reduzir o uso de herbicidas, diminuindo assim o seu impacto. Esses corredores promovem o crescimento natural de gramíneas entre a linha de videiras e a base da encosta, e o seu crescimento pode ser facilmente controlado por máquinas. Este tapete verde composto por gramíneas nativas ajuda a reduzir a perda de água e a manter a integridade das colinas, fornecendo abrigo a insetos e, geralmente, aumentando a biodiversidade nos vinhedos. Outra preocupação nossa nas nossas Quintas é a proteção das videiras contra a traça da videira, uma das principais pragas. A busca constante de técnicas inovadoras para controlar esta praga com mínimas consequências ambientais levou ao estabelecimento de um novo método que chamamos de ruptura sexual: foram instalados difusores na vinha que perturbam a comunicação entre espécimes masculinos e femininos, impedindo-os de se reproduzirem e possibilitar o controle da população sem uso de agrotóxicos ou extermínio.

Hoje

Nos próximos séculos, a Kopke se esforçará para honrar o seu legado, que foi construído com paixão através das gerações.